CÓDIGO: VITB2
EXAME: VITAMINA B2
SINÔNIMOS: CBHPM – 40302792, LACTOFLAVINA, RIBOFLAVINA

MATERIAL: SANGUE TOTAL CONGELADO PROTEGIDO DA LUZ
MEIO(S) DE COLETA: Tubo com EDTA (roxo)

Transferir e enviar em tubo âmbar de 5 mL.

PRAZO: 8 dias úteis
MÉTODO: CROMATOGRAFIA LÍQUIDA – HPLC

Instruções de preparo
Medicação: À critério do médico fazer a suspensão de suplementos vitamínicos nas 24 horas que antecedem a coleta de sangue para o exame.
 Jejum: Jejum de 8 horas.
 

Instruções de coleta
Coleta VITB2:
O sangue deve ser coletado pela manhã em jejum e antes de qualquer medicação. A amostra deve ser extraída com garroteamento leve.

Realizar coleta utilizando material e tubo de coleta recomendado para o exame , homogeneizar, transferir para o tubo âmbar e congelar imediatamente.

*Não recomendamos o envio de amostras envoltas com papel alumínio, pois durante o transporte pode haver o desprendimento e a amostra perder a viabilidade analítica, gerando recoleta.

Instruções de distribuição
Transportar protegido da luz e congelado.
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 6 meses congelada.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia e amostras com hemólise grau I.

Interpretação
A vitamina B2 faz parte das vitaminas do complexo B. Ela também é conhecida como riboflavina. É de fácil absorção e não é armazenada pelo organismo (além de não ser sintetizada por ele), devendo ser reposta regularmente através da dieta ou pelo consumo de suplementos.

No organismo dos seres humanos, é importante para o metabolismo dos carboidratos, estando relacionada a descarboxilação oxidativa dos alfa-cetoácidos, auxilia no metabolismo das gorduras, açúcares e proteínas, sendo importante para a saúde dos olhos, pele, boca e cabelos. Ela é essencial para a produção de dois cofatores enzimáticos necessários para o funcionamento de diversas enzimas que atuam nas vias metabólicas do organismo.

Alguns medicamentos, como clorpromazina, imipramina e amitriptilina inibem o metabolismo da vitamina B2. Outras substâncias, como zinco, ferro, cobre, teofilina, cafeína, ácido ascórbico, ureia e triptofano, alteram a sua solubilidade, com consequente diminuição de sua utilização.
A deficiência crônica de riboflavina pode se manifestar por sintomas neuropáticos, dermatológicos (estomatite angular, seborreia nasolabial), gastrointestinais (glossite, anorexia) e oculares (fotofobia, ardência, prurido,úlceras córneas).

A intoxicação pela vitamina B2 é muito rara, pois quando são ingeridas altas doses, o risco do intestino absorvê-la de forma significativa, é muito pequeno. A administração de doses tóxicas por injeção existe, porém normalmente o excesso é excretado junto com a urina.