CÓDIGO: HVD
EXAME: HEPATITE DELTA VÍRUS ANTICORPOS (ANTI-HDV)
SINÔNIMOS: DETERMINAÇÃO QUALITATIVA DOS ANTICORPOS ANTI-HD, HEPATITE D – ANTICORPOS TOTAIS, HEPATITE DELTA

MATERIAL: SORO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 25 dias úteis
MÉTODO: ENZIMAIMUNOENSAIO COMPETITIVO

Instruções de coleta
Realizar coleta utilizando material e meio de coleta adequados. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra e acondicionar corretamente.
 

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C).
  

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por 7 dias refrigerada entre 2°C e 8°C ou por até 3 meses congelada a -20°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras com volume inferior ao solicitado, hemolisadas, lipêmicas ou fora do padrão de armazenamento serão rejeitadas.

Interpretação
O vírus da hepatite D ou delta é um dos menores vírus RNA animais. Tão pequeno que é incapaz de produzir seu próprio envelope proteico e de infectar uma pessoa. Para isso, ele precisa utilizar a proteína do vírus B. Portanto, na grande maioria dos casos a hepatite D ocorre junto com a hepatite B, ambas com transmissão parenteral (sangue contaminado e sexual). O vírus D normalmente inibe a replicação do B, o qual fica latente. Na fase aguda da infecção, ocorre esteatose microvesicular e necrose granulomatosa eosinofílica por ação citotóxica direta do vírus. Na fase aguda, a atividade necroinflamatória costuma ser severa. Em pacientes já portadores do vírus B que apresentam infecção aguda pelo vírus D, pode ser severa com hepatite fulminante. Ao contrário da Hepatite B, não apresenta manifestações extra-hepáticas. A sorologia IgG ajuda no diagnóstico da forma crônica da doença, porém o anticorpo IgG da hepatite D não é protetor.

Esse guia de exames foi útil?