CÓDIGO: HMV
EXAME: ÁCIDO HOMOVANÍLICO
SINÔNIMOS: CBHPM – 40305120; HMV; ÁCIDO HOMO, HVA DOSAGEM DE ÁCIDO HOMOVANILICO

MATERIAL: URINA 24H COM CONSERVANTE HCL 25% PROTEGIDO DA LUZ
MEIO(S) DE COLETA: Frasco estéril com conservante protegido da luz.

Transferir e enviar em tubo âmbar de 5 mL.

PRAZO: 7 dias úteis
MÉTODO: CROMATOGRAFIA LÍQUIDA – HPLC

Instruções de preparo
Bebida alcoólica: Evitar a ingestão.

Dieta: Evitar ingerir fumo, refrigerantes com coca, café e chá.

Medicação: Suspender, à critérico médico, o uso dos medicamentos: alfa metil dopa, descongestionantes nasais, bronco dilatadores, tetraciclina, clorpromazina e quinidina 7 dias antes da coleta.

Dados: Informar o volume da diurese.

Instruções de coleta
Urina de 24 horas:  Importante: coletar a urina em um frasco intermediário e transferir para frasco com conservante, limpo, protegido da luz  e contendo 10 mL de HCl 25% para cada 2 litros de urina (adultos e crianças).
Coletar urina de 24 horas em frasco desprezar a primeira miccção da manhã, anotar o horário de início,  a partir da próxima miccção, armazenar em frasco apropriado toda a urina até o mesmo horário em que foi desprezada a primeira urina, no dia seguinte,  este será o horário do término da coleta. A amostra deverá ser armazenada tampada, refrigerada e protegida da luz durante todo o intervalo da coleta.
Enviar uma alíquota conforme condições solicitados e  volume solicitados no exame e informar o volume da diurese no campo de cadastro.
Encaminhar ao laboratório urina 24 horas uma alíquota de 5mL em tubo âmbar.

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C) em tubo transporte âmbar.
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 5 dias refrigerada entre 2°C e 8°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia.

Interpretação
O ácido homovanílico (ACHOM) é o principal metabólito da dopamina. Sua excreção encontra-se aumentada nos casos em que a dopamina é fabricada em excesso, como nos tumores produtores de catecolaminas (neuroblastomas, ganglioneuroblastomas e feocromocitomas) e distúrbios esquizóides do comportamento. Em todos os casos, a liberação de dopamina e o conseqüente aumento de excreção de HVA podem ser intermitentes. De modo geral, os neuroblastomas são diagnosticados em crianças e alguns casos com diagnóstico precoce podem ser tratáveis. Estas patologias, assim como os feocrocitomas, são associadas à liberação de catecolaminas, em especial a epinefrina e seus precursores. O diagnóstico destas patologias é bem mais realizado utilizando-se diferentes marcadores como ACHOM, ácido vanil mandélico (ACVAM) e catecolaminas urinárias, uma vez que em alguns casos é possível o encontro de apenas um destes marcadores alterado.