CÓDIGO: HAM
EXAME: HORMONIO ANTI-MULLERIANO
SINÔNIMOS: CBHPM – 40316890

MATERIAL: SORO CONGELADO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 5  dias úteis
MÉTODO: QUIMIOLUMINESCÊNCIA

Instruções de preparo
Jejum: Jejum aconselhável de 4 horas.
 

Instruções de coleta
Realizar coleta utilizando material e meio de coleta adequados. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra e acondicionar corretamente.
 

Instruções de distribuição
Transportar congelado.
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por 6 dias refrigerada entre 2°C e 8°C ou por até 6 meses congelada a -20°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras fortemente hemolisadas serão rejeitadas.

Interpretação
O Hormônio Anti-Mulleriano (AMH), também chamado de Substância Inibidora Mulleriana (MIS), é uma glicoproteína dimérica pertence à família do TGFb (Transforming Growth Factor b). Durante o desenvolvimento do feto, as gônadas apresentam um duplo potencial de transformação, pois os dutos de Muller são precursores do útero, das trompas de Falópio e dos dois terços superiores da vagina; os canais de Wolf formam o epidídimo, os canais deferentes e as vesículas seminais. No menino, o AMH, fator testicular secretado pelas células de Sertoli, causa a regressão dos dutos de Muller e continuará a ser produzido até a puberdade. Após este período, os níveis decrescem lentamente até atingirem valores residuais. Na menina, o AMH começa a ser produzido em pequenas quantidades pelas células da granulosa ovariana logo após o nascimento até a menopausa, tornando-se indetectável no soro após este período. O AMH age por meio de uma diminuição da atividade da enzima aromatase nas células da granulosa ovariana. A dosagem de AMH constitui um instrumento útil para o diagnóstico de várias entidades clínicas, tais como a puberdade precoce (AMH baixo), a puberdade tardia (AMH alto); o pseudo-hermafroditismo masculino, a Síndrome da Persistência do Ducto Mulleriano (PMDS), a suspeita de anorquia ou ectopia testicular. Poderia ainda auxiliar na determinação do sexo fetal, sobretudo em presença de aberrações cromossômicas. O AMH também tem sido utilizado para confirmar a retirada completa de tecido gonadal tumoral após cirurgias.