CÓDIGO: GRELI
EXAME: GRELINA

MATERIAL: SORO CONGELADO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 42 dias úteis
MÉTODO: RADIOIMUNOENSAIO

Instruções de preparo
Jejum: Jejum obrigatório de 8 horas.
 Centrifugar, separar e congelar o soro imediatamente após a coleta da amostra. Não enviar tubo primário para análise deste parâmetro.
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 15 dias congelada a -20°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras hemolisadas, lipêmicas, com presença de fibrina, compartilhadas com outros exames ou em tubo primário serão rejeitadas.

Interpretação
A grelina é um novo hormônio gastrointestinal sendo uma das principais funções desse peptídeo o aumento da secreção do hormônio do crescimento (GH. Ela foi, primeiramente, isolada da mucosa oxíntica do estômago, sendo produzida, predominantemente, pelas células Gr do trato gastrointestinal. É também produzida em menores quantidades no sistema nervoso central, rins, placenta e coração. O hormônio grelina é um potente estimulador da liberação de GH, nas células somatotróficas da hipófise e do hipotálamo, sendo o ligante endógeno para o receptor secretagogo de GH (GHS-R). Assim, a descoberta da grelina permitiu o aparecimento de um novo sistema regulatório para a secreção de GH. Além de sua ação como liberador de GH, a grelina possui outras importantes atividades, incluindo estimulação da secreção lactotrófica e corticotrófica, atividade orexígena acoplada ao controle do gasto energético; controle da secreção ácida e da motilidade gástrica, influência sobre a função endócrina pancreática e metabolismo da glicose e ainda ações cardiovasculares e efeitos antiproliferativos em células neoplásicas. Estudos em modelos animais indicam que esse hormônio desempenha importante papel na sinalização dos centros hipotalâmicos que regulam a ingestão alimentar e o balanço energético. A grelina, independentemente do GH, diminui a oxidação das gorduras e aumenta a ingestão alimentar e a adiposidade. Assim, esse hormônio parece estar envolvido no estímulo para iniciar uma refeição. Sabe-se ainda que os níveis de grelina são influenciados por mudanças agudas e crônicas no estado nutricional, encontrando-se elevados em estado de anorexia nervosa e reduzidos na obesidade. A grelina está diretamente envolvida na regulação a curto prazo do balanço energético. Níveis circulantes de grelina encontram-se aumentados durante jejum prolongado e em estados de hipoglicemia, e têm sua concentração diminuída após a refeição ou administração intravenosa de glicose.