CÓDIGO: GLUCA
EXAME: GLUCAGON
SINÔNIMOS: CBHPM – 40305368

MATERIAL: PLASMA CONGELADO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo com EDTA (roxo)

PRAZO: 18 dias úteis
MÉTODO: RADIOIMUNOENSAIO

Instruções de coleta
Necessário o envio de amostra única para este exame.
Realizar coleta utilizando material e meio de coleta adequados. Separar o plasma das células por centrifugação, realizar a alíquota, congelar imediatamente em tubo apropriado e manter congelado até a análise.

Instruções de distribuição
Transportar congelado (-20°C)
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 3 meses congelada a -20°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras hemolisadas ou descongeladas serão rejeitadas.

Interpretação
O glucagon é um hormônio produzido pelo pâncreas e atua como antagonista da insulina, aumentando os níveis plasmáticos de glicose, cetoácidos, ácidos graxos livres e diminuindo os níveis de aminoácidos. É controlado fisiologicamente pelo organismo através da hipoglicemia, baixos níveis de ácidos graxos, hiperaminoacidemia, estímulo vagal e estímulos do sistema adrenal, como estresse ou exercício. Após ser produzido, pode ficar estocado em vesículas secretórias das células a ou ser diretamente secretado. Possui um metabolismo pulsátil de secreção, pois desta forma ele é mais ativo. Esses pulsos são regulados pela ação do sistema nervoso nas ilhotas de Langerhans. O glucagon é antagonista da insulina, estimulando o fígado (órgão mais afetado por este hormônio) e os músculos a degradarem o glicogênio e liberar glicose. O fígado é responsável pela gliconeogênese e o glucagon desempenha importante função de regulação deste processo, evitando também a hipoglicemia. Promove a utilização de combustíveis, ao invés de armazenamento e isso ocorre principalmente com a glicose. Além disso, o glucagon diminui a síntese de colesterol pelo fígado, inibe a reabsorção de sódio pelos rins, aumenta sensivelmente o débito cardíaco, podendo também agir regulando o apetite e diminuindo o nível de aminoácidos. Tumores nas células a podem causar excesso de glucagon, aumentando os níveis plasmáticos de glicose e cetoácidos.