CÓDIGO: F233
EXAME: IGE ESP (F233) – ALIMENTOS – OVOMUCOIDE

MATERIAL: SORO
MEIO(S) DE COLETA:Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 4 dias úteis
MÉTODO: IMMUNOCAP – (FEIA – FLUOROENZIMAIMUNOENSAIO)

Instruções de preparo
Jejum: Não é necessário jejum ou cuidados especiais.
 

Instruções de coleta
Tubo seco:
Realizar coleta utilizando tubo seco. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra, separar o soro e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.
Tubo com gel separador:
Homogeneizar imediatamente após a coleta e manter o tubo em repouso verticalmente para a completa retração do coágulo em temperatura ambiente, para evitar hemólise. Após este período, centrifugar a amostra para obtenção do soro (sobrenadante) e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C)
 

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por 7 dias refrigerada entre 2°C e 8°C ou por até 1 ano congelada.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia.

Interpretação
A alergia ao ovo é bastante frequente em idade pediátrica e é a segunda principal causa de alergia alimentar na criança, seguida do leite de vaca. A alergia ao ovo de galinha é uma reação adversa causada por um mecanismo imunológico contra as proteínas do ovo e que ocorre após ingestão ou contato com ovo nas pessoas que desenvolveram IgEs específicas para este alimento. Esta reação repete-se sempre que haja ingestão ou mesmo até só contato cutâneo (contato na pele) com ovo.
As partes do ovo não são igualmente alergênicas e está relacionada com o grau de cozimento do mesmo. Nesse contexto, é importante saber que a clara do ovo (parte branca) é a que contém mais proteína do ovo e por isso é mais alergênica do que a gema do ovo (parte amarela). Na clara de ovo foram já identificadas mais de 20 proteínas que podem causar alergia, mas as mais frequentes são a ovalbumina e ovomucóide.
De igual forma, é também essencial saber que o ovo cozido é menos alergênico, sobretudo quando ingerido cozido com trigo, como é o caso de bolos ou bolachas. O ovo cru é o que provoca mais alergia, sobretudo a clara de ovo crua. Isso acontece se a alergia é principalmente à proteína ovomucóide, porque esta é mais resistente ao calor; é também a proteína mais responsável pela persistência da alergia ao longo do tempo. Assim sendo, a alergia ao ovo pode manifestar-se apenas com a ingestão de produtos contendo ovo cru, como é o caso da mousse de chocolate ou então em situações em que os ovos não são muito cozidos, como omelete e ovos mexidos.
A presença de IgE detectável não indica, necessariamente, doença alérgica, tampouco a sua ausência a exclui. Não há como interpretar a dosagem de IgE específica dissociada da anamnese e de outros exames complementares.