CÓDIGO: F2
EXAME: IGE ESP (F2) – ALIMENTOS – LEITE   

MATERIAL: SORO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 5 dias úteis
MÉTODO: IMMUNOCAP – (FEIA – FLUOROENZIMAIMUNOENSAIO)

Instruções de preparo
Jejum: Não é necessário jejum ou preparos especiais.
 

Instruções de coleta
Tubo seco:
Realizar coleta utilizando tubo seco. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra, separar o soro e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.
Tubo com gel separador:
Homogeneizar imediatamente após a coleta e manter o tubo em repouso verticalmente para a completa retração do coágulo em temperatura ambiente, para evitar hemólise. Após este período, centrifugar a amostra para obtenção do soro (sobrenadante) e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C).
  

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por 7 dias refrigerada entre 2°C e 8°C ou por até 1 ano congelada.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia.

Interpretação
A alergia ao leite é a alergia alimentar que ocorre mais frequentemente nas crianças. Começa nos primeiros meses de vida, com as primeiras ingestões leite artificial ou fórmula infantil ou mesmo durante o aleitamento materno, por passagem de proteínas dos laticínios ingeridos pela mãe. Ocorre porque o sistema imunitário dos bebés produz uma reação exagerada contra algumas proteínas do leite.

Essa resposta imunológica anormal dirigida contra as proteínas do leite pode envolver mecanismos IgE-mediados ou não-IgE-mediados ou mecanismos mistos.

A alergia IgE mediada resulta da produção de anticorpos de tipo IgE contra as proteínas do leite; os sintomas surgem nos primeiros 30 minutos ou até 2 horas após o contato com o leite; pode ser muito grave e capaz de pôr a vida em risco em poucos minutos. A alergia não-IgE mediada envolve outros mecanismos imunológicos, que envolve outros tipos de anticorpos ou células que reagem contra as proteínas do leite; normalmente os sintomas são digestivos e geralmente é uma reação tardia, com início mais de 2 horas após a ingestão do leite, o que torna o diagnóstico mais difícil. A alergia mista envolve IgE e outros mecanismos imunológicos, como é o caso da esofagite eosinofílica, gastrenterite eosinofílica e dermatite atópica.

Não existe alergia ao leite materno, mas quando a mãe está a amamentar e ingere leite e seus derivados, as proteínas do leite de vaca que a mãe ingeriu passam para o leite materno que alimenta o bebê, que pode assim ter reação.

Apesar de se designar frequentemente alergia à proteína do leite, na verdade o leite de vaca possui várias proteínas que podem causar alergia. Os nomes dessas proteínas do leite que mais frequentemente causam alergia são: caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina.

A presença de IgE detectável não indica, necessariamente, doença alérgica, tampouco a sua ausência a exclui. Não há como interpretar a dosagem de IgE específica dissociada da anamnese e de outros exames complementares. 

Esse guia de exames foi útil?