CÓDIGO: CHAGM
EXAME: CHAGAS – ANTICORPOS IGM
SINÔNIMOS: ANTICORPOS ANTI-TRYPANOSOMA CRUZI IGM, CBHPM – 40306623

MATERIAL: SORO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 3 dias úteis
MÉTODO: IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA

Instruções de preparo
Jejum: Jejum aconselhável de 4 horas.
 

Instruções de coleta
Tubo seco:
Realizar coleta utilizando tubo seco. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra, separar o soro e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.
Tubo com gel separador:
Homogeneizar imediatamente após a coleta e manter o tubo em repouso verticalmente para a completa retração do coágulo em temperatura ambiente, para evitar hemólise. Após este período, centrifugar a amostra para obtenção do soro (sobrenadante) e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C).
  

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 3 dias refrigerada entre 2°C e 8°C, após este período manter congelada.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia e amostras com hemólise grau I.

Interpretação
Os anticorpos anti-T. cruzi IgG em conjunto com outros testes sorológicos e conclusões clínicas auxiliam na investigação da Doença de Chagas. Essa patologia se desenvolve a partir da infecção com o protozoário T. cruzi tendo o inseto triatomíneo como vetor. A partir do ponto de vista imunológico, a doença se distingue em 3 etapas: aguda, latente ou indeterminado e crônica; em cada uma se tem uma sintomatologia e evidências clínicas diferentes.  No estado agudo os sintomas são geralmente o aumento de fígado, baço, gânglios linfáticos e coração. Meningoencefalite também pode ocorrer em crianças. Durante a manifestação crônica, o coração, o músculo e o esôfago são afetados. O envolvimento do coração é caracterizado por distúrbios, arritmias, cardiomegalia e insuficiência cardíaca. Na fase aguda o resultado é positivo para IgM e negativos para IgG em uma fase bem inicial ou positivos para IgM e positivos para IgG em um período mais tardio da fase aguda.
Na América Latina é considerada um problema de saúde pública devido aos altos níveis de prevalência e morbidade. De acordo com o II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas (2015), considera-se indivíduo infectado na fase crônica aquele que apresenta anticorpos anti-T. cruzi de classe IgG detectados por meio de dois testes sorológicos realizados por métodos distintos. O diagnóstico diferencial com outras doenças (por exemplo, leishmaniose visceral, hanseníase na forma clínica virchowiana, doenças autoimunes, entre outras) deve ser considerado, uma vez que podem ocorrer resultados falso-positivos para Chagas por reação cruzada com estas doenças.