CÓDIGO: CALPR
EXAME: CALPROTECTINA EM FEZES
SINÔNIMOS: CALPROTECTINA FECAL, CALPROTECTINA NAS FEZES

MATERIAL: FEZES
MEIO(S) DE COLETA:  Frasco estéril

PRAZO: 6 dias úteis
MÉTODO: QUIMIOLUMINESCÊNCIA

Instruções de preparo
Medicação: Usar laxativos somente quando houver orientação médica.
 

Instruções de coleta
Coletar as fezes em frasco estéril, de modo que complete aproximadamente ½ (meio) frasco. Retirar frações de fezes em diferentes partes do bolo fecal.
 Ao cadastrar os exames a quantidade de etiquetas geradas deverá ser a quantidade de amostras a serem enviadas.
 

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C).
  

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 3 dias refrigerada entre 2°C e 8°C, após este período manter congelada.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferentes das condições solicitadas em guia e que apresentarem sangue aparente serão rejeitadas.

Interpretação
A doença do intestino irritável (DII) é uma patologia crônica que inclui a colite ulcerativa e a doença de Crohn. Os sintomas do doente consistem em episódios crônicos ou recorrentes de dor abdominal e diarreia. As manifestações clínicas de DII não são específicas e os sintomas assemelham-se aos de outras doenças não orgânicas como a síndrome do intestino irritável, sendo necessário efetuar uma endoscopia para confirmar o diagnóstico. A medição não invasiva da calprotectina fecal é considerada uma ferramenta de rastreio útil para a diferenciação entre DII e SII (síndrome do intestino irritável). A calprotectina constitui mais de 60% do total de proteínas no citosol dos neutrófilos, que se infiltram na mucosa intestinal como parte da resposta inflamatória. Consequentemente, as doenças orgânicas do intestino resultam em níveis elevados de calprotectina fecal. A concentração de calprotectina nas fezes reflete o número de neutrófilos presente e fornece um indicador da gravidade da inflamação intestinal. A medição da calprotectina fecal como parte do diagnóstico (e da gestão da doença) de doenças intestinais orgânicas como a DII é um parâmetro em rápido crescimento. O paciente com DII oscila entre as fases ativa (inflamatória) e inativa da doença. Estas fases devem ser consideradas ao interpretar os resultados do teste de calprotectina fecal. Outras doenças intestinais, incluindo muitas infecções gastrointestinais e cancro colorretal, podem resultar em níveis elevados de calprotectina. Um diagnóstico de DII só poderá ser feito correlacionando outros exames de diagnóstico e do estado clínico geral do paciente. A calprotectina fecal é um indicador da presença de neutrófilos nas fezes e não é específica para a DII.