CÓDIGO: AILHO
EXAME: ANTICORPOS ANTI-ILHOTA
SINÔNIMOS: ANTICORPOS ANTI-ILHOTAS DE LANGERHANS, ANTICORPOS PARA CÉLULAS DAS ILHOTAS PANCREÁTICAS (ICA), CBHPM: 40306208, DIABETES, DM1

MATERIAL: SORO
MEIO(S) DE COLETA: Tubo seco (vermelho) ou Gel separador (amarelo)

PRAZO: 4 dias úteis
MÉTODO: IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA

Instruções de preparo
Jejum: Jejum aconselhável de 4 horas.
 

Instruções de coleta
Tubo seco:
Realizar coleta utilizando tubo seco. Após retração completa do coágulo, centrifugar a amostra, separar o soro e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.
Tubo com gel separador:
Homogeneizar imediatamente após a coleta e manter o tubo em repouso verticalmente para a completa retração do coágulo em temperatura ambiente, para evitar hemólise. Após este período, centrifugar a amostra para obtenção do soro (sobrenadante) e acondicionar corretamente conforme estabelecido para o exame.

Instruções de distribuição
Transportar refrigerado (2°C a 8°C).
  

Instruções de estabilidade
A amostra é estável por até 14 dias refrigerada entre 2°C e 8°C.
 

Instruções de rejeição
Amostras recebidas diferente das condições solicitadas em guia e amostras com hemólise grau II.

Interpretação
A determinação de  anticorpos anti-ilhotas pancreáticas em conjunto com outros testes sorológicos e conclusões clínicas auxiliam na investigação de Diabetes Mellitus tipo 1, além de revelar reações autoimunes pré-clínicas em pessoas de risco. Esses autoanticorpos reagem contra as células das ilhotas da camada endócrina do pâncreas, resultando na secreção limitada ou não liberação do hormônio insulina. Com a progressão da patologia, os títulos desses anticorpos tendem a diminuir. O que é de particular importância é que em 90% dos casos, um ou vários autoanticorpos associados a Diabetes Mellitus já podem ser detectados no soro antes mesmo de manifestação clínica. A identificação precoce permite a identificação de pessoa com alto risco de adquirir a doença.